Sun Tzu a arte da guerra

Sun Tzu – Bibliografia

Sun Tzu (Mandarim: Sun Zi) foi um filósofo e general chinês que viveu entre 544 e 496 A.C. Sun Tzu escreveu o livro A Arte da Guerra (孙子兵 法 – Sun Zi – Bing Fa) em torno de 510 A,C.

Isto foi durante o tumultuado período “primavera e outono” da história da China composto por mais de 100 cidades Estado guerreando.

Sun Tzu foi contratado pelo rei de Wu, a menor cidade Estado, para liderar um exército de 30.000 homens contra o exército do Estado de Chu, um iminente inimigo dez vezes maior.

Esta capacidade de dizimar um adversário maior e mais forte foi o primeiro de uma longa série de vitórias usando as ideias e conceitos estratégicos traçados na Arte da Guerra de Sun Tzu para trazer a paz e prosperidade para o reino de Wu.

Sua Bing Fa, A arte da Guerra, manteve segredos que se tornariam grandes “descobertas” nos campos da psicologia organizacional ocidental e gestão estratégica de 2.500 anos mais tarde.

A partir de seu túmulo, Sun Tzu viria a influenciar cada campo do esforço de esporte para a negociação de ações por meio de sua obra-prima, A Arte da Guerra / Bing Fa.

O vídeo abaixo do canal History Channel relaciona o tratado da Arte da Guerra com os conflitos mais recentes, explicando à luz da filosofia de Sun Tzu eventos da segunda guerra mundial e a Guerra do Vietnan.

O livro A Arte da guerra (Sun Tzu).

A ocidente, provavelmente, nunca seria exposto a este poderoso livro, se não tivesse caído nas mãos de um oficial menor do exército revolucionário francês com o nome de Napoleão Bonaparte.

É relatado que quando um outro grande estrategista, Carl Von Clausewitz, foi capturado pelo exército de Napoleão que ele aprendeu seus métodos.

Clausewitz passou a escrever o maior tratado de estratégia militar ocidental “On War”, no qual estabeleceu Sun Tzu como um axioma de definição da estratégia militar como “o emprego de batalhas para ganhar o fim da guerra”.

A importância da Arte da Guerra para a estratégia e a liderança contemporânea.

Então, como é que este aparente manual do oficial militar se relaciona com a gestão moderna e a liderança? Simples, apesar do nome do livro, existe nele muito pouco sobre o delineamento da conduta de batalhas.

O objetivo do Bing Fa (A arte da Guerra) não era ensinar os homens a lutar; mas chegar ao supra suma da estratégia. “Vencer sem lutar!!!”, ensinando seus líderes para se tornar pensadores estratégicos.

Outro objetivo do Bing Fa (a arte da guerra) não era passar a doutrina ao largo, mas pretender desenvolver o maior patrimônio de qualquer sistema competitivo: a mente humana!

Sun Tzu queria mentes de seus homens como uma Lâmina afiada onde a tomada de decisão para a vitória se tornasse um reflexo.

O tratado tornou-se um best-seller de negócios com adaptações para públicos específicos que variavam desde “A Arte da Guerra de Vendas” para “A arte da guerra para encontrar um parceiro (a)! “. Isso fala da versatilidade e poder de dominância para implantar uma mentalidade estratégica encontrada em Arte da Guerra de Sun Tzu (Bing Fa).

Sun Tzu sugeriu a importância do posicionamento na estratégia e que a posição é afetada tanto por condições objetivas do ambiente físico como por opiniões subjetivas de atores competitivos nesse ambiente.

Ele pensou que a estratégia não estava planejada no sentido de trabalhar através de uma lista estabelecida, mas preferencialmente que ela requer respostas rápidas e adequadas condições mutantes.

Não planejamento trabalhar em um ambiente controlado, mas em um ambiente de constantes mudanças os planos concorrentes colidem, criando situações inesperadas.

A Arte da Guerra para Gestores modernos

“A palavra convence, o exemplo arrasta – Confúcio”.

Tudo do gerenciamento é a formação de percepções (Liderança através da inspiração e do exemplo)

  • Todas as posições estratégicas são conhecidas por comparação e estão em constante mutação.
  • Conheça os seus concorrentes, a si mesmo (sua organização), as tendências e o mercado e sua vitória estará assegurada.
  • Sucesso significa construir as vitórias por si mesmo (os projetos devem ser autossustentáveis).
  • Um (a) líder deve ser cuidadoso (a), atencioso (a), confiável, inteligente, disciplinado (a) e corajoso (a). Este é o primeiro registro conhecido de uma característica da teoria de liderança (2.500 anos, antes dos modelos modernos).
  • Aprenda a competir sem jamais perder o equilíbrio emocional.
  • Planeje corretamente e faça as coisas certas.
  • Tenha a certeza que você conhece os fatos, e somente dependem de conhecimento em primeira mão, caso possível.
  • Espere e esteja sempre preparado para o pior, e tenha alguns recursos para combater qualquer revés.
  • Velocidade e inovação são ponderosas armas para manter-se à frente no mercado.
  • O objetivo de um líder supremo não é estar envolvido na competição, em ação na concorrência direta. Ele inventou o conceito “Blue Ocean” para dizer “lidere seus homens, mas não diretamente para o inimigo … Um desvio é muitas vezes o caminho mais rápido.”.
  • A estratégia envolve tomar o planejamento realizado através da análise e implementação dinâmica através da experimentação recursiva com o feedback da linha de frente. Envolver-se para competir, adaptar-se a ganhar.

Sobre o livro a arte da Guerra

O Bing Fa (A arte da Guerra) de Sun Tzu. É composto por 13 capítulos, cada um dos quais é dedicado a um aspecto da guerra ou da competição.

Foi deliberadamente conciso e escrito em linguagem poética simulando equações matemáticas.

Este tratado militar chinês ainda permanece como o trabalho preeminente sobre estratégia militar, a arte da guerra é a exposição mais brilhante do pensamento estratégico em conflitos armados já composta.

Ele é um de um punhado de livros para sobreviver a vários períodos de queima de livros em massa, incluindo o período do imperador Chi em 200 aC.

Foi largamente mantido em segredo e transmitido através dos governantes. Por quase 2000 anos, foi mantido figurativa e literalmente subterrâneo na China. Durante o século 20, os arqueólogos desenterraram muitas cópias na China.

Existiam muitas versões, duas grandes e cerca de 12 menores, em que cada uma delas foram intituladas Bing Fa e alegou ser o artigo autêntico. Não havia uma versão chinesa “completa” até a década de 1970, quando um projeto em Taiwan procurou autenticar e compilar as várias edições.

O resultado foi “a versão completa da arte de Sun Tzu de guerra.” As vezes referida simplesmente como a “versão Taipei”. Esta versão foi traduzida diretamente para o Inglês, que revelou discrepâncias com versões anteriores adaptadas de versões franceses ou chinesas incompletas.

Para mais informações sobre economia, finanças e gestão, por favor visite nosso site Peritia Econômica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *