Fusões e aquisições

O que são fusões de empresas?

Fusão de Empresa é um termo geral usado para se referir à consolidação de empresas.

A fusão é associação de duas empresas para formar uma nova empresa.

O que são aquisições de empresas?

Por outro lado, aquisição é a compra de uma organização empresarial por outra onde nenhuma nova empresa é formada.

As aquisições são muitas vezes feitas como parte da estratégia de crescimento organizacional.

Neste sentido, será mais benéfico assumir operações e nichos da empresa absorvida comparativamente aos custos de uma expansão por conta própria.

As aquisições empresariais são muitas vezes pagas em dinheiro, as ações da sociedade incorporante ou uma combinação de ambas.

Fusão é diferente de aquisição.

Fusões e Aquisições – Modelagem de integração

A modelagem da abordagem integradora de fusões e aquisições de nos fornece insights para optarmos sobre o formato que aperfeiçoe o processo integrativo.

Em Fusões e Aquisições, o slogan mais usual era: Faça-o como nós! Ou relativamente eram usados critérios simples para escolher o tratamento do processo de aquisição como o porte da empresa e/ou a qualidade da organização absorvida.

Haspeslagh e Jemison (1991) estabeleceram a abordagem, a qual uma empresa deve tomar no caminho da integração e para isto, podem ser compreendidos e considerados dois critérios extras:

  1. A imprescindibilidade da interdependência estratégica das M & A (Mergers and Acquisitions): Abordagem para integração das aquisições.
  1. Fusão de Empresas: A conveniência de autonomia empresarial.

Fusões e Aquisições – formas de geração de valor

Evidentemente que a meta crucial em quaisquer fusões ou aquisição é a geração do valor que é habilitado quando as duas organizações se fundem.

Fusão de Empresas – abordagem para geração de valor:

  1. Compartilhamento de processos: O valor é gerado por meio da fusão das empresas em nível operacional.

2  Permuta de competências organizacionais. O valor é gerado movendo-se determinadas pessoas ou partilhando dados, saber e know-how.

  1. Permuta de competências de gestão: O valor é gerado por meio de aprimoramento de insigths, coordenação e controle.
  1. Combinação de benefícios: O valor é gerado pela alavancagem de recursos de caixa, pela maior capacidade de endividamento, pelo aumento do poder de compra ou por acesso a mercados.

Fusões e Aquisições – Autonomia empresarial

Haspeslagh e Jemison (1990) alertam que os gerentes não devem perder de vista o fato de que o foco estratégico da aquisição é criar valor.

Além disso, os gestores não podem ceder autonomia demasiado rápido. Evidentemente, as pessoas são relevantes e devem ser tratadas de forma justa e com dignidade.

A conveniência da autonomia empresarial deve ser contestada utilizando três perguntas:

  1. É a autonomia fundamental para garantia da eficiência estratégica?
  1. Em caso da resposta à questão acima seja afirmativa, quanto de autonomia pode ser permitido?
  1. Em quais segmentos peculiares a autonomia é relevante?

A modelagem preferida de fusões e aquisições:

As abordagens preferidas Aquisição de integração são

  • Absorção: A administração deve ser corajosa para garantir que estas visões da aquisição sejam efetuadas.
  • Preservação:  O foco da gestão é: preservar a que origem dos benefícios obtidos permaneça intacta, “nutrindo-a”.
  • Simbiose:  A administração deve assegurar que a simbiose entre as empresas seja preservada por meio de um processo gradual de integração.
  • Holding:  Nenhum propósito de integração e de geração valor é criado simplesmente por transferências de recursos financeiros, de partilha de risco ou de capacidade de gestão geral.

Para mais informações sobre Consultoria Econômica e gestão empresarial, por favor, visite nosso site Peritia Econômica.

Fonte:

HASPESLAGH, P. C.; JEMISON, D. B. Managing acquisitions: creating value through corporate renewal. New York: The Free Press, 1991.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *