Ciclo PDCA, ciclo DEMING

PDCA: O ciclo de qualidade de Willian Deming

Por William Nunes de Aquino*

Willian Edwards Deming foi um Estatístico Americano. Ele é associado à ascensão do Japão como Nação industrial com a invenção do Total Quality Management (TQM).

Associado a outro guru Norte Americano da qualidade – J M Juran, Deming foi para o Japão como integrante das forças de ocupação aliadas após a grande Guerra Mundial.

W. Deming ensinou diversos métodos de melhoria da qualidade para os Japoneses, incluindo o uso de estatísticas e do ciclo PDSA.

O ciclo PDCA é também é conhecido como Ciclo Deming, Roda Deming ou espiral de Melhoria Contínua.

Abaixo o ciclo PDCA é apresentado de forma bastante didática:

 Em 1960 ele foi premiado com uma medalha pelo Imperador japonês para seus serviços à indústria desse país.

Willian Deming propôs em 1950 que os processos de negócios deveriam ser analisados e medidos para identificar as fontes de variações que causariam produtos com padrões desviados dos requisitos do cliente.

 Ele recomendou que os processos de negócios fossem colocados em um loop de feedback contínuo para que os gestores pudessem identificar e mudar as partes do processo que necessitassem de melhorias contínuas.

Como professor, Edwards Deming criou um diagrama para ilustrar este processo contínuo, comumente conhecido como o ciclo PDCA ou ciclo de Deming é um processo de melhoria continua da qualidade.

O ciclo PDCA fundamenta-se, numa sequência lógica de quatro passos repetitivos para a melhoria contínua e da aprendizagem: Em inglês PLAN, DO, STUDY (CHECK) e ACT ou Planejar, fazer, checar e reorientar.

Outra forma de enxergar o  ciclo PDCA é o OPDCA, onde a letra adicionada “O” significa observação. Esta foco na observação é largamento usada no modelo de produção enxuta ou Lean Manufacturing / Toyota Production System) do Sistema Toyota de Produção. 

O foco de Deming estava em processos de produção industrial, e o nível de melhorias que procurava estavam no nível de produção.

 Na moderna empresa pós-industrial, estes tipos de melhorias ainda são necessárias, mas os vetores de desempenho reais, muitas vezes ocorrem no nível da estratégia de negócios.

Desenvolvimento estratégico é um outro processo, mas tem relativamente variações de longo prazo, porque as grandes empresas não podem mudar tão rapidamente quanto pequenas empresas.

 Ainda assim, iniciativas estratégicas podem e devem ser colocadas em um loop de feedback, com medições e planejamento vinculadas a um ciclo PDCA.

Para ilustrar a relação dos processos de unidade de negócios para processos estratégicos, podemos construir dois ciclos de PDCA aninhados:

Esta ‘roda dentro de uma roda’ (Fazer o PDCA de cada etapa do próprio ciclo de negócios) descreve a relação entre gestão estratégica e a gestão da unidade de negócios em uma grande empresa.

 Na verdade, existem várias unidades de negócio separadas, é claro, cada um com seu próprio conjunto de métricas, objetivos, metas e iniciativas.

 Devemos ver o ciclo de Deming como espiral na medida em que ao retroalimentarmos para girar o ciclo de qualidade, o circuito recebe o feedback da etapa anterior. Graficamente seria representada como uma espiral.

O Ciclo PDCA Originou-se em 1920, com o eminente especialista em estatística Sr. Walter A. Shewhart, que introduziu o conceito de Planejar, fazer e ver. Deming modificou o ciclo de Shewhart para: PLAN, DO, STUDY e ACT.

 O Ciclo de Deming está relacionada com o pensamento Kaizen e como o modelo Just-in-time.

BENEFICIOS DO CICLO DEMING

·                    Gerenciamento da rotina diária para o indivíduo e a equipe

·                    Processo de solução de problemas,

·                    Gerencia de projetos

·                    Desenvolvimento contínuo,

·                    Desenvolvimento de fornecedores,

·                    Desenvolvimento de Talentos humanos,

·                   Desenvolvimento de novos produtos e ensaio de processos

AS 4 PARTES DO CICLO DEMING 

  • PLAN. Planejar com antecedência para a mudança. Analisar e prever os resultados. .
  • DO. Fazer. Executar o plano, dando pequenos passos em circunstâncias controladas.
  • STUDY (check). (Verificação). Estudar (analisar) os resultados.
  • ACT. (Redirecionar), Tomar medidas para padronizar ou melhorar os processos.

 Para mais informações sobre gestão e Filosofia Lean por favor visite nosso site Peritia Econômica.

*William Nunes de Aquino é Industrial Executive | Lean | CI | Quality | Leadership Former | Panelist | 4.4K+ Connections.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *